sexta-feira, 26 de setembro de 2008

AUSENTE PRESENÇA

Vontade de conhecer lugares novos, gente nova. Cheiro de café no ar. Tempo chuvoso bom pra fazer as malas e cair no mundo. O gato dorme encostado no cachorro como se não houvesse amanhã. Amanhã? Mas nem sei o que fazer do hoje. Procuro um quem, um como, de não sei quando. Preguiça. Risadas ao longe. Mistérios de mim mesma. Posso ser vento, tempestade, calmaria, brisa. Aperte a tecla certa e descubra por si mesmo. Descobrir, mas o quê? Não sei, apenas a vontade que me percorre os labirintos das vísceras. O proibido nos deixa com vontade de ser livre. As palavras saem de meus olhos. Só um surdo não vê. Deixe-me ser. Então ela foi dormir com a esperança de encontrar nos sonhos a vida.

3 comentários:

Robson disse...

Benditas entrelinhas, o que seria de nós sem elas...
Bj

Dama de Cinzas disse...

Esse texto tb é a minha cara, meu momento!

Bjs

felipe lima disse...

Me identifiquei tanto com isso! Abraço.