segunda-feira, 30 de março de 2009

MIMETISMO

Estava lendo uma reportagem de um desses astros que mostram suas aventuras no reino animal onde ele falava sobre mimetismo - adaptação na qual um organismo possui características que o confundem com um indivíduo de outra espécie, segundo o Houaiss, ou numa tradução livre, “quando as aparências enganam”. Ele contava que um dos animais que mais o deixam admirado é uma lagarta que quando sente o perigo, ergue a cabeça de onde surge um par de olhos falsos, dando a impressão de que ela é uma cobra. Fiquei pensando em como algumas vezes na vida somos surpreendidos com o “mimetismo” alheio, como se o slogan daquele velho comercial de tonalizante para cabelos continuasse em voga: “parece, mas não é”. Quando você por exemplo, acredita que uma pessoa é de um jeito com você e um belo dia é surpreendido com a verdadeira face. Sim, digo verdadeira porque ela já era assim. Por algum tipo de ilusão – o amor, a paixão, são bons exemplos - ficamos cegos. Não que todos nós não tenhamos nossos momentos camaleônicos... Mas algumas pessoas parecem que vivem assim, em transformação de acordo com seus interesses. Emendo aqui com um texto lido hoje sobre psicopatas e como encontrá-los na multidão. O jornalista fazia uma comparação com o gato e o rato. O gato come o rato porque tem fome, sem o menor sentimento. A diferença entre o rato e aquele que quer identificar o psicopata é que o rato já sabe quem é o GATO, nós não. Claro, não andamos por aí a procura de psicopatas, mas guardadas as devidas proporções, muitas vezes nos deixamos ludibriar pelo rato, ops, ou seria gato? Sim, deixamos, porque quase nada nos acontece sem nossa permissão. Isso faz com que “aquela coisa morna e ingênua” como dizia Cazuza, seja deixada cada vez mais para trás. Tenho lido muitos posts que falam sobre a descrença na vida, nas pessoas. Se estamos ainda vivos é porque temos MUITA coisa pra fazer. E não podemos ficar de braços cruzados! Estejamos mais alertas para não confundirmos carinho com interesse, ajuda por troca de favores, amizades com circunstâncias, emprego com trabalho, mentiras como verdades. Vivendo e aprendendo, separando joio do trigo, temos o livre direito de escolha e devemos fazer uso dele sempre! E que me sigam os bons, porque como disse o astro que falou sobre mimetismo, medo mesmo só tenho do bicho-homem!

3 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Seu texto tem tudo a ver!

Deixei entrar uma pessoa na minha vida que a princípio parecida inofensiva, mas que me fez mal e agora no final está me detonando... Enfim um desses animais que parece uma coisa e é outra... rs

Beijocas

Flávia e Kbça disse...

e nesse ponto, podemos ver a total diferença da irracionalidade para a racionalidade. o animal (irracional) faz isso como forma de sobrevivencia. uma forma de defender a si próprio. e a racionalidade, fez pesseoas usarem desse truque, para judiar de pessoas, fazer o mal.

se aprendessemos com os irracionais também a fato de não se envolver por sentimento, isso não aconteceria. mas aí está nossa maior fraqueza, somos seres humanos!!

abraço. lindo o texto.

ML disse...

Adorei o post - eu tb tenho medo é de gente (quanta "cobrinha" solta na avenida, né?)

bjnhs

Boa Páscoa!