sábado, 5 de março de 2011

DECEPÇÕES

    

     Dizem que tudo na vida passa. Tenho dúvidas às vezes. Algumas coisas parecem que não passarão nem na próxima encarnação.
     O tempo, por exemplo. Minutos transformam-se em horas intermináveis, por exemplo.
     Insônia: todos os pensamentos que não deveriam aparecer, se acumulam como neve no alto de um cume qualquer. E por mais que o aquecimento terrestre aumente, nada desse tipo de neve derreter.
     Decepções: vem aos poucos, no começo nem ligamos. Fazem parte do aprendizado longo de frustrações que enfrentaremos na vida. Mas começo a acreditar que com a maturidade, além de ficarmos cada vez mais seletivos e por consequencia, chatos, elas passam a ter um peso diferente. É aquele olhar inocente que perdemos dia a dia e quando olhamos para trás precisamos sacudir um resto de amargura que insiste em pousar nos ombros.
     Lembro Clarice, em "Um sopro de Vida": "Oh chega de decepções, estou tão machucada, me doem a nuca, a boca, os tornozelos, fui chicoteada nos rins." Cansa. Tudo se transforma, é inevitável. Mas já dizia Paulinho da Viola: "a marca dos meus desenganos ficou..."
     Num paradoxo total, só resta acreditar o que já vivemos outras vezes: a luz reinará absoluta a cada manhã, em silêncio.
    
    

2 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Recentemente fiz um post sobre decepção, exatamente por estar vendo tudo isso que está aqui no seu post.

Infelizmente tudo isso é verdade.

Beijocas

ML disse...

Acho que a gente fica mais "chato" com o tempo não: fica, sim, mais exigente! Se isso é ser chato, tudo bem, voilà! Mas, há muito tempo, eu não mais me pergunto "por que não", e sim "por que sim???".
Chata? Classifiquem como le gusta, mas eu chamo isso de assertivo.

bjnhs, Queridíssima"