terça-feira, 17 de março de 2009

CONSTRUÇÃO

Tenho pensado muito em como os sentimentos são construídos. Sim, porque amizades e amores “verdadeiros pra vida inteira em uma semana” são mais comuns no BBB... Um olhar pode designar um futuro bastante promissor, assim como um sorriso, um abraço, um aperto de mão caloroso. Comparo à construção de uma casa: tijolo por tijolo, uma frase, um silencio, outro olhar, mais cimento, mais união, mais “liga” na argamassa dos corações. Às vezes nos surpreendemos: num primeiro momento achamos que não vai dar em nada, “não fomos muito com a cara do sujeito(a)”, ele é chato, sem graça, mas com o tempo vamos descobrindo afinidades, particularidades, sensibilidades que acabam por nos conduzir a estradas paralelas, for a long, long time... E dizemos: “Nossa, do nada gostei de você...” Não acredito nisso. O poeta Manoel de Barros diz que quando achamos uma flor bonita, a beleza da flor já habita em nós. Acredito. Muitas pessoas nem mesmo sabem o que é uma flor... A felicidade vive batendo na nossa cara, pois a vida está repleta de oportunidades, belezas, flores, mas também de dores, quedas, ódios, ciúme e o pior de tudo, invejas. Mas fazemos nossas escolhas: uns escolhem viver sempre num “submundo próprio”, como se a nuvenzinha negra da Família Adams estivesse sempre ali, pairando. Outros, vivem rindo, nem mesmo sabem do que, talvez deles mesmos. Como diz o outro poeta, isso também é perigoso, não dá pra nunca nos levarmos a sério... O fato é que é difícil manter o equilíbrio, mas alguns nem tentam! E depois culpam o pai, a mãe, a humanidade, o azar, o vizinho. Esse é o famoso processo de vitimização. Os outros é que me fizeram mal, oh, que mundo cruel!!! Assim como a beleza da flor habita em nós, outros tipos de sentimentos também. Mas cada dia é único e hoje não somos mais os mesmos de ontem, nem os de amanhã (se chegarmos lá!).
Pimenta nos olhos dos outros é refresco? É mais fácil do que arregaçar as mangas e parar de maldizer a humanidade? Quero e tento com todas as forças viver um dia por vez. Mas sinceramente, meu coração dói com aqueles que desperdiçam a vida, o dia, a noite, a luta, a carne, o fogo, a água. Sem culpa, sem auto-comiseração. E como bem escreve meu amigo
JUNKIE CARETA – “me procure quando parar de sentir pena de ti mesmo.”
Uma vez ouvi que o Império Romano demorou cem anos para ser construído e muito menos que isso para ser destruído.
A confiança é um belo exemplo também.

6 comentários:

Cris Animal disse...

Oi, minha querida!
E a gatinha? Como ela está? Tudo certo?
Estou meio correndo aqui. Volto depois para ler seu post. Queria saber da filhota.....rs
beijos pra vcs duas
................cris Animal

Flávia e Kbça disse...

então, é engraçado isso que acontece... tipo, depois de algum tempo, não lembramos como que fizemos aquela amizade!!

tento também viver um dia após o outro, talvez seja por isso que não tenho tante lembrança do meu passado (tudo bem, pano pra manga nesse assunto).

mas é isso aí mesmo! depois que aprendemos a pedir desculpas, ninguém fica mais de castigo.

Dama de Cinzas disse...

Lindo post! Realmente a vida tem que ser batalhada. Não adianta culpar o mundo pelas nossas derrotas.

Beijocas

Veronica Kraemer disse...

Carla, que saudades de vcs.!!!
LIndo texto!!!
Beijos com muito amor
Vero:)

bruno nobru disse...

Carla, gostei muito deste seu texto, apesar de tudo o que fazemos acaba sendo muito trabalhoso viver em paz, e muito dessa cultura bbb faz com que pessoas caminhem passos para traz de relacionamentos autenticos e acaba lidando com desprezo por muitas coisas que são sinceras e reais, quando o vazio pega é só sair que está cheio de gente pra fazer amizade a qualquer hora, mas quando a grana aperta ou surge um problema de saúde, ou mesmo precisa de um conselho para uma questao delicada.. aí que a gente vê quem fica.. isso me faz selecionar pessoas que escolho para meu convivio mais proximo, nao ignorando as outras, mas percebendo as sutilezas e diferenças..

Claudia Goulart disse...

Fiquei muito honrada por vc ter postado o selo da Gentileza!
bj