domingo, 9 de agosto de 2009

RASCUNHOS

Penso que escrever seja muitas vezes mais forte que um soco que possamos dar. As forças das palavras são imensuráveis. Sim, escrevi as forças inconscientemente e no segundo seguinte parei pra pensar: realmente uma só palavra pode ter muitos tipos de forças – ou fraquezas. Muitas vezes as palavras são como extensão de nosso braço. Com elas podemos chegar a lugares não imagináveis, falar com desconhecidos ou pessoas distantes, matar saudades, colocarmos pra fora aquilo que vai em nosso coração – seja bom ou mau.

Acredito que tenho muito que fazer neste mundo ainda, embora às vezes tenha dúvidas sobre se estou ou não no melhor caminho. Imediatamente caio na real e percebo que o caminho – seja ele qual for – foi escolhido por mim. Sim, há muito tempo tenho consciência de minhas escolhas, o que fez a minha saúde mental e física melhorar muito. Ainda me pergunto por que algumas pessoas complicam tanto coisas tão simples como amar, amar, amar... É, também acredito que o amor e só ele, nos liberta de muitas prisões. E tento fazer isso de muitas maneiras. O trabalho escolhido é uma das formas. Mas ainda sinto que posso fazer mais. Sem demagogia, sem arrogância, apenas uma vontade imensa de aproveitar a vida. Detesto perder tempo. Não tolero atrasos – a não ser aqueles que acontecem ao acaso: trânsito intenso, alagamentos, problemas de morte... Fora esses, todos os outros me fazem perder tempo.

Tenho uma pessoa amiga que sempre me disse que sou uma “fazedora”. E eu sempre respondo que nem tanto, porque quando não sei o que fazer, eu aguardo. Ou melhor, observo. Atentamente o mundo à minha volta. Fervorosamente, obstinadamente. Porque também aprendi que certas coisas não dependem de mim. Se já fiz o que julguei possível, se já lutei até onde meu braço alcançou e o final não apareceu, espero. Sim, porque o tempo é implacável, embora nem sempre concordemos com os desfechos que a vida nos apresenta.

Sempre gostei de escrever e nunca fiz um rascunho em minha vida – creio não saber fazer nem se me pedirem, porque a escrita é visceral pra mim. E a vida também.

Escrevendo agora me dei conta de uma coisa sobre os rascunhos: talvez eu não admita “fazer de conta” que escrevo, que vivo. É isso mesmo. Me deparo com muitos exemplos de quem deixa a vida passar e vive aos trancos e barrancos lutando contra isso ou aquilo. Na verdade lutam contra sua própria natureza, pois é mais fácil adaptar-se a padrões esperados que ser autêntico consigo mesmo...

Creio que finalmente entendi porque nunca fiz rascunhos... E só tenho a agradecer por isso.

8 comentários:

Francisco disse...

Minha amiga!
Pessoas como você, não se permitem rascunhos nem ensaios. São "fazedores" por natureza, seja através de atitudes ou com as palavras.
Me identifiquei demais com o seu texto, e de certa forma, me vi inserido nele (com sua permissão, é claro! rsrsrs).
Um beijão!

Dama de Cinzas disse...

Escrever pra mim é como um desabafo mesmo... Eu vou sufocando, sufocando e quando coloco pra fora aquilo fica mais fácil de ver...

Adorei essa idéia de blog, pelo menos a gente brinca de ser escritora... rs... E tem a ilusão de que um monte de gente se interessa pelo que escrevemos.... ehehehe

Eu já escrevi um livro autobiográfico... E pretendo fazer a continuação...

Beijocas

Andréa disse...

Sensacional, Carla!!

Bjs e saudades (muitas saudades mesmo),

Andréa

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
ML disse...

Oi, Carla:
Lendo seu post me lembrei de uma frase que ouvi em algum filme (só nãome lembro qual): diz mais ou menos que a gente não deve se arrepender de nada na vida porque não temos a chance de ensaiar e depois fazer a cena final. Não dá pra ter um "rascunho".
Amei seu post!
E quanto ao seu e-mail, eu não recebi, querida.
Estive viajando por uns 15 dias, mas, de todo o modo, não deletei nada, acho que não chegou mesmo.
Se não se importar, manda de novo, tá?
bjnhs

Buh: disse...

Parabéns.
Vc realmente tem o dom da escrita minha cara. Realmente.
E com certeza estou participando de seu blog.Espero sua visita. Abraços.

Andréa disse...

Oi Carla!!!
A vida não tem rascunhos, né...
Segunda-feira comprovei isso mais uma vez.
Quanto à menção ao meu texto, é claaaaaaaaaaaro que você pode!!!
Aliás, fico muito lisonjeada.
Beijão,
Andréa

Veronica Kraemer disse...

Lindo texto , como sempre!!!
Carla, amei sua visitinha no meu blog!!!
Te admiro muito!!!
Beijão
Vero