quinta-feira, 3 de setembro de 2009

FIM DE CASO

Esta semana quase findando e, coincidência ou não, ouvi muitas histórias sobre casos mal resolvidos. Aqueles do tipo “você não vale nada, mas eu gosto de você”, ou “mulher de malandro”, onde o cara (ou a mulher) sofre todo tipo de dores de amor, mas o coração sempre fala mais alto. Ou aquele outro vivido há muitos anos e que por razões que a nossa vã filosofia não consegue explicar (ou entender), simplesmente terminou.

E pra não falar apenas de relação homem/mulher, podemos citar também coisas que fazemos pela vida e por um motivo ou por outro, somos impedidos de continuar. Como quem pratica algum esporte durante toda a juventude e com o passar dos anos, a decadência física já se faz notar. Eu tenho um amigo que diz que quando ele fez cinqüenta anos, percebeu que a cabeça pensava certinho no cruzamento da bola durante o jogo de futebol, mas o joelho já não acompanhava mais...

Quem já não viveu uma situação dessas? Felizes aqueles que não?

Assim acontece na paixão: a cabeça até pensa em lampejos rápidos, mas o coração não acompanha...

Como diz a música: ”Quem inventou o amor não fui eu... / O amor quando acontece na vida, estavas desprevenida e por acaso eu também...”

Ah, noites mal-dormidas, suadouros inexplicáveis na madrugada, dores de estomago, cotovelo, cabeça, dor no coração! Nada é passional nem ridículo demais quando se está apaixonado.

O tempo passa e aquele tempo cravado no coração, inesquecível, o mesmo frio na barriga ao se retomarem as lembranças.

Para alguns a falta de explicações para o término só faz aumentar ainda mais a vontade de estar junto; para outros, a raiva é proporcional a saudade.

Uma pessoa muito querida, ao ser questionada sobre um “caso mal resolvido”, deu a seguinte resposta: “Não, não é um caso mal resolvido, mas eu gostaria apenas de ter um dia a mais.” Pano rápido.

“E como o acaso é importante querida... De nossas vidas a vida, fez um brinquedo também...”

Deixo a imagem do meu último final de semana para inspirar-nos a viver o que temos pela frente!!! Ainda bem...

10 comentários:

Juliana disse...

Carla

Será que preciso comentar esse texto?hahaha... Tenho certeza que todos já passamos por isso,ou iremos passar é inevitavel. Tem uma frase que eu gosto muito, e acho que se encaixa aqui: ".. entre razões e emoções a saida é fazer valer a pena".
beijos Juliana
obs: a foto é super inspiradora

Dama de Cinzas disse...

Minha vida tem um caso mal resolvido que me incomoda muito, os outros eu passou por cima...

Beijocas

:: Nanda :: disse...

oi Carla, adorei seu blog.

Devo confessar que não faz muito tempo eu passei por um relacionamento que foi mal resolvido por 5 anos.
Hoje, depois de medidas "drásticas" parece que foi superado.
beijos
Nanda

Junkie careta disse...

Tiro certeiro Carla,

Conheço pessoas que voluntariamente sabotam-se, diante de todas as possibilidades de dar certo com alguém em detrimento de um "amor" que só existe dentro dele(a), por falta de coragem de abraçar a dor de frente até exorcizá-la pra sempre.Vivem uma vida inteira de frustrações sentimentais por covardia, fraqueza, por não não se permitirem arriscar, quebrar a cara de novo, mas também rir, sonhar,enfim, viver.

Viver é um risco, alguém já disse,deixar que casos mal resolvidos amarrem nossa vida ao ponto de nos auto-sabotarmos é cristalizar voluntariamente a dor,é masoquismo, e aí já é um caso médico, de um profissional de saúde mental. Se está mal resolvido, que se resolva agora, que se fale tudo o que está engasgado, que se exorcise de nossas vidas o que nos atrasa o passo. A vida não pode esperar.

Acabei filosofando :>

Grande beijo

Olavo disse...

È..toda situação chega neste ponto quando não é bem resolvida..quando encostamos a porta mas não fechamos..deixamos aquela vão e as vezes vamos lá e espiamos..

Aos 50 bem e 1 rs posso dizer que realmente o joelho o bendito joelho sempre não obedece o que a mente manda ele fazer..e isso é o fim rs

Gostei muito do seu blog..parabens por ele

Beijo

ML disse...

Oi Carla:
Parabéns pelo post - mais um maravilhoso!
Eu sou passional: adoro "dor na barriga" de paixão!
Mas o dia a dia, que pena, não dá espaço pra essas alegres sensações.
A gente fica "prático" e a relação, a bem da verdade, perde o "glam", se bobear, vira uma "empresa" e só falta marcar na agenda reuniões.
Paciência, o melhor mesmo é curtir a vida como dá.
Um ótimo final de semana pra Você (com ou sem sol).

bjnhs

Francisco disse...

Oi Carla!
Enquanto é só o joelho que não obedece, tudo bem!! rsrsrsrs
Juro que não vou falar que este texto tem tudo a ver comigo. Pronto, já falei! rsrsrs
Odeio ser repetitivo!!
Um beijãozão!
(um dia ainda encontro "alguém" no msn! rsrs)

Robson Schneider disse...

Minha querida amiga nesse seu post vou me limitar a uma citação da sábia Copélia de "toma lá da cá"...Prefiro não comentar... e sei que você me entende hahahaha
Bjão

Cris Animal disse...

Carlinha, quem nunca passou por isso?
Olha, recentemente vivi quase que tudo isso, mas foi ai que descobri uma grande verdade e vivi alguma coisa inédita e boa demais na minha vida.
Eu sou mais importante que qualquer coisa, que qualquer acontecimento que possa me causar dor. Descobri que só eu posso ser autora da minha felicidade e que amor de gente pela metade, amor "bandido", amor que rouba vc de vc mesmo....aprendi que não vale à pena viver um dia que seja.

Aprendi que amor tem que ser leve, livre, repleto de entendimento e PAZ. se assim não for...vou viver a vida só de aventuras....rs

beijo enorme e post hiper bem escrito!

lpzinho disse...

Oi Carla!
Nossa, tantas coisas para pensar e dizer sobre isso, sobre o tema em questão! Pessoalmente acho que por duas vezes passei por algo que não era assimilado pelo coração, nem pela razão. E foram momentos duros. Num deles eu sei que errei e deixei a coisa ir pra onde foi. Graças a Deus teve resolução. O outro, recente.. não! E nem gosto de pensar ou lembrar.
Em geral pelas minhas amigas percebo que na verdade um grande amor dura exatamente o tempo necessário para a MULHER perceber que o cara não era tudo aquilo que ela projetou. Eu vejo assim né, normalmente a mulher tem um cara em mente. Seja no físico, seja no intelectual, seja no afetivo. Porém, alguns fatores embaçam a visão dela, fazendo com que a carência ou apenas um atributo físico por exemplo façam ela enxergar o 'homem ideal' aqui e ali... Ela é capaz de amar esta projeção, mas como só ela vê o cara assim e o cara não sabe disso, aos poucos ele será visto por ela exatamente como é. Se tiver defeitos, e terá, eles serão vistos em dobro. O pior ao meu ver é que mtas vezes a mulher se apaixona por gente ruim mas consegue sofrer por eles.
Sei lá... tem horas q não dá pra ser racional, né? O fato é q eu acho q as pessoas complicam, achando que amar é gostar de outra pessoa, esquecendo de gostar delas mesmas. =)
Beeeijo e desculpe escrever demais! Adorei o texto(tanto q viajei refletindo ehehe)