terça-feira, 8 de setembro de 2009

FERIADO

Feriadão. Sempre que posso faço o inverso: todos vão para a praia/campo? Eu fico em São Paulo. Cidade mais vazia, um pouco de silêncio no ar, trânsito tranqüilo, milhões de opções quando o assunto é lazer.
Caminhada pelas ruas, quase sem carros, onde aproveito para dar uma olhada mais atenta no meu próprio bairro, na Primavera que já se anuncia. Paradinha na padaria para aquele café caprichado, com pão na chapa quentinho, passear com os cachorros... Tudo sem pressa, porque feriado é assim: vantagem de ter alguns dias de ócio.
Morar numa grande metrópole nem sempre é fácil; somos assolados por vários problemas conhecidos: trânsito, chuva, poluição, excesso de pessoas em determinados lugares, etc. Mas, é nos feriados que temos tempo para aproveitar o que na maior parte só é visto pelos turistas. Além de teatros e cinemas, aproveitei para ir conhecer o Museu do Futebol! Imperdível até para quem não gosta tanto assim do esporte!
Primeiro o local: o estádio do Pacaembu é simplesmente maravilhoso, com seus jardins em volta e o próprio bairro que contribui com sua beleza. Ok, há algum tempo inventaram que o Pacaembu seria o estádio daquele time que há 99 anos não ganha a Libertadores, e na lojinha do museu existem mais “recuerdos” do tal time do que de qualquer outro...
Existe uma sala, dividida em décadas, onde fotos e vídeos, música e sons, contam a história do futebol daqueles anos, situando o momento do esporte com o do País. Somos levados a um túnel do tempo emocionante, onde encontramos desde Garrincha, Pelé, mas também Novos Baianos, Beatles, Elis, Airton Senna, Diretas Já e tantos outros fatos que nos transportam a momentos de nossa própria vida e, sobretudo ao que fazíamos na época. Impossível não se emocionar!
Exatamente debaixo das arquibancadas, subsolo mesmo, são passados vários trechos em tamanho natural, de flagrantes da torcida durante os jogos. É como se você fizesse parte de cada um deles, no exato momento que acontecem! E os sons que fazem parte desse espetáculo de projeções vão desde a batucada até o grito de GOL da massa!
Vemos pais, mães, jovens, crianças, torcedores com a camisa dos respectivos times de todo o Brasil e algumas do mundo, com os olhos marejados, perdidos talvez num tempo em que muitos cantavam “Pra frente Brasil, salve a seleção” e acreditavam nisso. Programa super recomendado! Na saída existe uma lanchonete vizinha à loja do museu, onde claro, um cafezinho é o ideal para colocar as emoções no lugar. Pergunto ao garçom se trabalham em dias de jogos. Ele ri e diz: “A senhora conhece o time da casa? Pois é: se o time deles ganha tem briga, se perde também!!! Deus me livre estar aqui nesses dias! A gente mantém a lanchonete fechada!!!” E depois ainda dizem que é preconceito.

6 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu acho a mesma coisa! Moro no Rio de Janeiro e quando tem esses feriadões posso aproveitar o de melhor da cidade, sem as multidões, acho demais de bom... rs

Beijocas

:: Nanda :: disse...

Olá Carla.
Meu feriado não foi muito diferente do seu, também prefiro ficar em Sampa curtindo a calmaria que quase não existe pra gente.
Quanto ao estádio.. nunca fui de defender time nenhum, sou corinthiana mas nem um pouco fanática. Mas confesso que já fui a jogos e nunca vi brigas, ganhando ou perdendo.
Não que não exista..mas não é só pq são corinthianos rs outras torcidas também brigam, na mesma proporção, talvez.
Enfim.. estou curiosa pra conhecer esse museu. Já ouvi falar muito bem dele. E lendo seu blog fico ainda mais confiante de que é bacana!
bjos

Francisco disse...

Além de ter ficado por aqui no feriadão, ainda trabalhei!
Tenho vontade de conhecer o museu "daquele clube" rsrs, mesmo não gostando muito de tricolores!
Um beijão, minha amiga!

Olavo disse...

Já queria conhecer agora mais ainda..árece muito bom
Bjs

Junkie careta disse...

Atualmente eu moro numa cidade histórica, patrimônio da humanidade. Um banquete para quem procura cultura popular, floclore e história. A cidade é linda,e mesmo atestando sua beleza e riqueza,eu sou um bicho urbano,em termos de opções de programações culturais, que não as citadas,por aqui é uma limitação só e eu me frustro. O feriado foi tedioso e trabalhoso. Depois de sua lembrança das milhares de opções que Sampa oferece,nesse exato momento eu quero ir p aí, para Londres,Paris,Nova York!

O engraçado é que quando estava aí, às vezes sentia uma certa falta dessa tranquilidade daqui. Vai entender o ser humano...

No mais,Junkie Careta convida os amigos para uma dose de vinho e outra de cicuta no Spleen Rosa Chumbo,em sua sangria mais recente. Porque amar pode doer.

Grande bjo

ML disse...

Eu tb ando na contra mão, Carla!
Ficar 4 horas na estrada sabendo que o percurso normalmente leva 2hs nõa é exatamente algo que combine com lazer (feriado) na minha opinião.
Amo ficar quando todos saem e a cidade fica disponível.

bjnhs e um ótimo final de semana pra Você.