terça-feira, 9 de março de 2010

PROBLEMAS TODO MUNDO TEM



     Hoje pela manhã tive que dar um pulinho no Correio para despachar algumas cartas. Antes de sair do trabalho, dei uma rápida olhada nas manchetes da Internet e uma foto me chamou a atenção: era um grupo de soldados rezando de mãos dadas, antes de partirem para o Afeganistão.
     Fiquei com a imagem gravada em minhas retinas por todo o caminho até o Correio, pensando em como nosso mundo é imenso e apesar de alguns duvidarem, ele gira - mesmo que preferíssemos que ele parasse para que algumas vezes pudessemos descer...
     Infelizmente algumas gerras e conflitos permeiam o mundo todo, mas graças a Deus, cada vez mais pessoas estão envolvidas em fazer algo de bom, não só para si (o mais comum), mas por todos que nos rodeiam, independente da distância. Claro, como sempre, existem aqueles que se aproveitam da desgraça alheia ou da solidariedade mundial e além de arrecadarem doações, também as vendem, para beneficio próprio.
      Voltando ao meu passeio matinal, quando cheguei no Correio não haviam senhas para serem distribuídas porque a máquina havia saído "do ar" momentaneamente. Assim, uma funcionária organizava a fila, dando prioridade aos idosos, grávidas, etc.
      Ela pediu que eu aguardasse atrás de duas moças num canto, já que todos os outros espaços estavam lotados. Assim que me sentei (era o último lugar vago) as duas moças olharam pra mim e perguntaram com ar de indignação: "Você não acha um absurdo? A gente vem com pressa e ainda tem que esperar?"
      Eu, ali, com a imagem dos soldados rezando, deixando sua Pátria, suas famílias, sem saber se voltariam um dia ou não... Enfim, ouvi a pergunta e sorri, dizendo: "Sabem, a única coisa que percebi e que a funcionária aqui do Correio está fazendo o melhor que pode e a maioria dos que estão aqui, reclamam de algo que ela não tem culpa. Nós ainda estamos em melhor situação que ela, vocês não acham?"
      Elas me lançaram um olhar incrédulo, do tipo: "O que essa louca está falando?" e me viraram as costas, já abordando agora um rapaz que estava atrás delas, com a mesma pergunta. Ele, que lia um jornal, apenas levantou os olhos, e não respondeu! UFA! Quanto menos energia despendermos com o mau-humor alheio e outros bichos, melhor para o mundo todo!!! E vocês sabem, já contei aqui, que eu também clamo por justiça, mas quando existe VERDADE.
      Quando chegou a minha vez, fui até a funcionária que continuava lá, se esforçando e ouvindo reclamações, e dei um abraço nela, assim, espontaneamente. Claro, ela se admirou, mas eu disse: "Parabéns, eu sinto que você está fazendo o seu melhor! E sorrindo!" - Ela, sorriu e disse abaixando os olhos, como se tivesse quebrado uma louça muito valeiosa: "Obrigada... pelo menos alguém percebeu..."
     Fui até o guichê, cumprimentei a moça que lá estava e ela me disse: "Eu vi o que a senhora fez... A senhora sabe que quando eu chego aqui meu corpo todo dói? Quando estou em casa não... Sinto que a energia de alumas pessoas é ruim, parece que elas vem ao mundo apenas para fazer mal aos outros, principalmente se elas são os clientes..."
     Eu ouvi e me lembrei de quantos funcionários de serviços por telefone já me atenderam e eu disse: "Não vou discutir com você porque sei que você não tem culpa!" E do outro lado da linha eu já ouvi como resposta a isso: "Parabéns" , "Ah, se todos entendessem isso!", "É comigo que a senhora está falando?" e por aí afora... Não abro emails que falam mal dos outros (sejam os outros quem forem) porque acredito que isso não leva a nada. Arregaçar as mangas e fazer cada um a sua parte, sem alarde. É nisso que acredito.
      Recentemente cortei uns trinta centimetros do meu cabelo - muito calor, e eu queria mesmo mudar o visual, logo após o casamento da minha filha - penteados de mãe de noiva exigem uma cabeleira razoável para ficar bacana... Bem, as reações foram bastante positivas mas uma me chamou a atenção: uma pessoa de quem gosto muito, homem, assim que me viu, disse: "Nossa, mas você está linda, esse corte realçou seu rosto, que delicada você ficou! Mas, seu marido DEIXOU?"
      Eu dei risada, descaradamente. A primeira coisa que me veio à mente foi a luta que muitas mulheres travaram e travam ainda por um lugar ao Sol neste mundo predominantemente masculino.
      Quantos sutiãs já foram queimados, quantas mães sofrem por deixarem seus filhos em creches, por terem de trabalhar o dia todo e por aí vai, para não terem o direito de escolherem o penteado que desejam, ou a roupa que gostam, ou os amigos que lhe agradam? Bem, eu já nasci nessa encarnação livre desses conceitos e agradeço meus pais que me ajudaram a me libertar de outros igualmente aprisionantes. Mas, sei que ainda existem muitas mulheres que se submetem à vontade alheia.
      Resumindo: até o momento, o resumo deste dia é que percebo como existem ainda muitas pessoas que se incomodam por pouca coisa, sem lançar um olhar mais apurado e ver o quanto o nosso mundo é vasto, mas ainda assim, lindo.


5 comentários:

Andréa disse...

Clap, clap, clap!!! Muitas palmas mesmo!!
Que delícia de texto, Carla!!
Também procuro enxergar a vida assim e você sabe disso.
Aliás, outro dia me disseram que "meu mundo é assim porque meus olhos assim o são". Foi uma ironia de alguém que vive de mau humor.
Mas pra mim foi um elogio.
Meu "mundo assim" ainda é muito melhor pra mim!!
Beijão,
Déa

PS: saudades master-panzer-plus-advanced!!!

Gabi Rocha disse...

Muito bom o texto! Mas na hora de falar com a TVA você pede o meu soorro, né?! :)

Dama de Cinzas disse...

Bonita sua atitude! Um dia ainda fico zen assim igual a vc, por enquanto eu sou tão estressada, mas tento sempre ser justa...

Quanto ao cabelo! Se alguém me faz uma pergunta dessa, ouve tanta coisa que não quer... ahahah... Por isso que te digo, não sou nada zen... ahahah

Beijocas

Robson Schneider disse...

Nossa... fiquei com vergonha agora viu?! acho que preciso desestressar urgente. Você ta certa minha amiga
amargura faz mal pra quem a carrega e enferma.
Bjo e saudades de vc

ML disse...

Carlinha do bem: nem todo o mundo, aliás pouca gente, para de olhar pro próprio umbigo.
Se o fizesse, sentiria-se "realizada".
Eu, por exemplo, reclamo muito, me sinto miserável tantas vezes - e aí me lembro dos conselhos da minha mãe - sábia criatura - dizendo: olha a fila, filha, ela é muito maior atrás do que na frente...
Parabéns por ter entendido a situação macro.
Euzinha, fico mesmo é aqui no meu micro universo, irritada com as bobagens do dia a dia.

Ótima semana, querida.

bjnhs